sexta-feira, 16 de julho de 2010

- "Insensato Sentimento..."

Vou confessar, ainda dói.



Não tem jeito, me corrói
a  saudade, sentimento
que aperta no peito, meu
tímido e insensato coração.
     Tento, compreender, refletir,
     trabalhar, distrair o meu dia
     para esta ausência não sentir.
     Me rendo! Me encolho em volta de mim.
     A razão não entende tal ironia :
É tão doce e tão meigo,
este solitário sentimento,
que se faz triste. Apenas existe!
Pertence só a mim, como um lamento,
que não pode ser  compartilhado.
     é o mesmo dos românticos,
     do não correspondido,
     da saudade, não duvido,
     daquilo que nem é meu,
     milagre, apenas em mim, contido.
É sentir-se uma criança
sem poder rir-se de contente,
porque amor, não se pede,
só se sente! E míngua quando
não se vê no outro, refletido.
     Há que se aquietar a chama
     do louco, que não pode iluminar a dois,
     e então o transformar apenas em carinho
     mesmo que só me reste a sensação
     de eu ter morrido um pouco, no caminho
texto : Vera  Alvarenga
foto retirada da internet - creditada a Niko Guido

6 comentários:

  1. Que show de fotografia!
    Eu tenho um amigo que só tira fotos assim deste genero, cada uma bela, mas ele não abre para todos verem.

    Quanto ao que me disse no meu blog, obrigada, voces tem sido de alguma maneira uma porta para que eu passe e veja a luz depois dela. As palavras são preciosas. Obrigada

    ResponderExcluir
  2. grande palavras guria
    e q poema maravilhoso
    quem nunca se sentiu assim um dia né
    meio q pertido no caminho
    akele vazioo
    mas sempre devemos nos manter firmes
    mesmo parecendo q tenha morrido um poukinhuu
    a outra grande parte gritando por vida
    bjo grande guria
    amei o poema

    ResponderExcluir
  3. Olá Vera,
    Muito lindo seu poema, nos nossos caminhos sempre existe uma bifurcação que nos deixa indecisosm ou confusos, mas os nossos institos nos levam sempre adiante.
    Meu carinho

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga Vera,

    Estou retornando ao diHITT em doses homeopáticas...

    Lindíssimo esse poema!

    Beijos com carinho,

    Herval

    ResponderExcluir
  5. Classificar o seu texto como "lindo" é repetir o que já foi e continuará a ser dito sobre ele daqui pra frente.

    Eu o prefiro chamar de real, porque a saudade realmente faz tudo o que nele está dito. Não adianta fugir, tentar entender, trabalhar, distrair-se. No primeiro instante de distração, lá estará ela, corroendo o nosso coração.

    O que nos consola é a certeza de que só há saudade onde houve uma grande amizade, amor ou paixão, e é o tamanho dela que nos faz sentir se valeu a pena viver aqueles sentimentos.

    Mas não há dúvida: sempre fica a sensação de que se morreu um pouco pelo caminho...

    ResponderExcluir
  6. Olá Amigos, quero agradecer os comentários.

    Roberto!Obrigada por suas palavras. É verdade, o que nos consola, é saber que saudade tão grande assim, é por um sentimento bom,bonito, coisa boa, não é? ( quando não somos masoquistas). rs.............
    Mas que quando dói, dá vontade da gente descobrir como não sentir mais saudade assim, de descobrir um escudo para ela, isto dá! (covardia pura, né?) Viver a vida e o agora, como pessoa inteira, sem anestesias,é isto, meu caro. Que fazer?
    Abraço,
    Vera.

    ResponderExcluir

Seu comentário é bem vindo ! Obrigada

Compartilhe com...